A criação da Associação Brasileira de Arte Rupestre-ABAR, foi uma iniciativa da Dra. Mila Abreu, da Universidade de Tras-os-Montes e Alto Douro, por ocasião do Congresso Internacional de Arte Rupestre-IFRAO, associação que presidia na época e que se celebrava em 1997, em Vila Real, (Portugal). Constatando que o grupo mais numeroso de assistentes por país, era o do Brasil, ela nos fez a proposta de criar a nossa associação. Reunidos os pesquisadores presentes, fundamos a ABAR e, por unanimidade, nomeamos como primeira presidente à Niède Guidon, substituída, depois por Anne-Marie Pessis. Até novembro de 2007, sua Presidente foi Gabriela Martin.

Após a reunião de 16 de novembro de 2007, a ABAR ficou composta como segue :

• Presidente : Niéde Guidon

• Vice-presidente : Maria da Conceição Meneses Lage

• Secretária : Daniela Cisneiros

• Tesoureira : Gabriela Martin Ávila

• Conselho Fiscal: Carlos Alberto Etchevarne, Silvia Maranca e Edith da Silva Pereira.

A ABAR foi registrada como associação científica sem fins lucrativos no Cartório de Registros de São Raimundo Nonato, PI.

Depois de primeira reunião celebrada no Brasil, em 2000, na sede da Fundação Museu do Homem Americano, em São Raimundo Nonato, PI, se decidiu que as reuniões seguintes se realizaram, também, no âmbito do Parque Nacional Serra da Capivara, dado que esse parque reúne a maior concentração de sítios com registros rupestres pré-históricos do mundo, além de ter sido declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

A reunião da ABAR celebrada em 2004, foi de cunho internacional, dedicada, principalmente, aos problemas de preservação da arte rupestre nas áreas declaradas Patrimônio Mundial, as estratégias de preservação e as novas técnicas de levantamento e registro.

Os resultados das reuniões da ABAR tem sido publicados na Revista FUMDHAMENTOS da Fundação Museu do Homem Americano.

 

 

ABAR© 2006